domingo, 22 de agosto de 2010

GRUEE 2010 - Julho - Parte 2

Apresentação: As fotos a seguir foram tiradas em uma reunião do GRUEE em julho de 2010, estão nas fotos Marize, Stephanie, Pedro, Deborah, Renata, Bianca, Anelise, Ana Paula Soares, Priscila, Ana Paula, Juliana e Ana Luiza.
Tags:
Quem esteve entre nós







sábado, 14 de agosto de 2010

GRUEE 2010 - Julho - Parte 1

Apresentação: As fotos a seguir foram tiradas em uma reunião do GRUEE em julho de 2010, estão nas fotos Marize, Stephanie, Pedro, Deborah, Renata, Bianca, Anelise, Ana Paula Soares, Priscila, Ana Paula, Juliana e Ana Luiza.
Tags:
Quem esteve entre nós








quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Revista Iluminuras: "Cultura e Suas Formas de Expressão Sonora"

Apresentação: Estas postagens fazem referência a alguns artigos presentes na Revista Iluminuras volume 11 número 25 de 2010 Cultura e suas formas de expressão sonora. Esta edição da revista é um dos resultados do encontro entre pesquisadores – do Brasil e de outros países da America Latina – preocupados em investigar, através da etnografia, as sonoridades da cultura. Na VIII Reunião Brasileira de Antropologia, que ocorreu em setembro de 2009 na cidade de Buenos Aires, o intercâmbio entre estes pesquisadores resultou em debates teóricos e metodológicos sobre o som como parte das inquietações do campo de conhecimento da antropologia. Os artigos que compõem esta revista decorrem deste debate, onde vamos perceber os desafios da produção de uma etnografia sonora, seja no que tange ao registro e tratamento do documento etnográfico, seja na conformação de processos de classificação e interpretação dos dados de campo. Aqui no blog apresentaremos algumas narrativas sonoras que compõem a escrita destes artigos, sendo que cada texto que é acompanhado de sons possui também um link que direciona o leitor para este blog.

Acesse a Revista Iluminuras e...boa leitura!!

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

ETNOGRAFÍA Y PAISAJE SONORO - A Continuação.

Autores: Andrés Mario Fortunato Mankoch (AZAPA Producciones Ltda.), César Ignacio Borie Cervellino (AZAPA Producciones Ltda.)

Resumen

Nuestra propuesta de trabajo como equipo posiciona el sonido como parte integral de la experiencia etnográfica transmitida al lector/oyente, esto gracias a su capacidad de describir, contextualizar y/o evocar aquellos escenarios, voces, melodías y emociones que, como un todo, nos sitúan en el terreno mismo de la práctica etnográfica. Los paisajes sonoros, empleados con diversos énfasis dentro de nuestro trabajo, serán estudiados como una herramienta etnográfica independiente de los dispositivos gráficos y textuales. Se trata así de una estrategia reflexiva que busca revisar las distintas facetas exploradas en el ámbito de los paisajes sonoros y destacar sus potencialidades como transmisores de significado. En este artículo se discutirá dicha apuesta metodológica a la luz de los resultados de dos proyectos de investigación realizados en Azapa (extremo norte de Chile): “Azapa. Música para los Muertos” (2006) y “Azapa. El Ño Carnavalón” (2008), y de un proyecto desarrollado en Isla Mocha (zona centro-sur), “Mocha. Memorias Loberas” (2007).

Palabras Claves: Etnografía. Paisajes sonoros. Metodología.

Abstract
Our team’s research proposal deals with sound as an integral part of the ethnographic experience transmited to the reader/listener, this is achieved thanks to the capability of sound to describe, contextualize and evoke those scenarios, voices, melodies and emotions that, as a whole, locate us in the field of ethnographic practice. The soundscapes, used with diverse emphasis in our work, will be studied as an ethnographic tool independent from graphic and textual components. Thus, this is a reflexive approach that aims to go through our explorations in the realm of soundscapes and highlight their potential for meaning transmition. That methodological approach is discussed in this paper facing the results of two research proyects that took place in Azapa (Northern Chile): “Azapa. Música para los Muertos” (2006) and “Azapa. El Ño Carnavalón” (2007), and one developed in Mocha Island (South-Central Chile): “Mocha. Memorias Loberas” (2007).
Keywords: Ethnography. Soundscapes. Methodology.



video


video

ETNOGRAFÍA Y PAISAJE SONORO. REVISIÓN METODOLÓGICA DE TRES PROYECTOS DE INVESTIGACIÓN: VALLE DE AZAPA E ISLA MOCHA

Autores: Andrés Mario Fortunato Mankoch (AZAPA Producciones Ltda.), César Ignacio Borie Cervellino (AZAPA Producciones Ltda.)

Resumen

Nuestra propuesta de trabajo como equipo posiciona el sonido como parte integral de la experiencia etnográfica transmitida al lector/oyente, esto gracias a su capacidad de describir, contextualizar y/o evocar aquellos escenarios, voces, melodías y emociones que, como un todo, nos sitúan en el terreno mismo de la práctica etnográfica. Los paisajes sonoros, empleados con diversos énfasis dentro de nuestro trabajo, serán estudiados como una herramienta etnográfica independiente de los dispositivos gráficos y textuales. Se trata así de una estrategia reflexiva que busca revisar las distintas facetas exploradas en el ámbito de los paisajes sonoros y destacar sus potencialidades como transmisores de significado. En este artículo se discutirá dicha apuesta metodológica a la luz de los resultados de dos proyectos de investigación realizados en Azapa (extremo norte de Chile): “Azapa. Música para los Muertos” (2006) y “Azapa. El Ño Carnavalón” (2008), y de un proyecto desarrollado en Isla Mocha (zona centro-sur), “Mocha. Memorias Loberas” (2007).

Palabras Claves: Etnografía. Paisajes sonoros. Metodología.

Abstract
Our team’s research proposal deals with sound as an integral part of the ethnographic experience transmited to the reader/listener, this is achieved thanks to the capability of sound to describe, contextualize and evoke those scenarios, voices, melodies and emotions that, as a whole, locate us in the field of ethnographic practice. The soundscapes, used with diverse emphasis in our work, will be studied as an ethnographic tool independent from graphic and textual components. Thus, this is a reflexive approach that aims to go through our explorations in the realm of soundscapes and highlight their potential for meaning transmition. That methodological approach is discussed in this paper facing the results of two research proyects that took place in Azapa (Northern Chile): “Azapa. Música para los Muertos” (2006) and “Azapa. El Ño Carnavalón” (2007), and one developed in Mocha Island (South-Central Chile): “Mocha. Memorias Loberas” (2007).
Keywords: Ethnography. Soundscapes. Methodology.









video





video


(Continuação na próxima postagem...)

terça-feira, 10 de agosto de 2010

“DEUS ME LIVRE DE CANTAR ESSAS COISAS”

Autor: Ewelter Rocha (Universidade de São Paulo – USP / Universidade Estadual do Ceará – UECE)

Resumo

Este estudo realiza uma etnografia das formas e das expressividades sonoras relativas à devoção romeira presente no município de Juazeiro do Norte – CE, um dos maiores centros de romaria popular do Brasil. A ausência de prescrições litúrgicas e de ingerência eclesial sobre os modos de devoção, bem como a inexistência de legislação doutrinária que administrasse o campo do estético pertinente à religião, deixaram a cargo da tradição popular a elaboração de sua própria suma, relativa ao modo de ver e ouvir o mundo, seja no domínio espiritual, seja no âmbito social, estabelecendo-se uma orientação devocional que vê nas práticas penitenciais o único caminho para a salvação da alma. Partimos da hipótese que postula a existência de uma forma-sacrifício, a qual encerra uma pletora de signos culturais e religiosos instaurados no repertório musical tradicional e no corpo durante o ato de cantar. A noção de Consagração (Mauss e Hubert) embasa teoricamente nosso argumento.

Palavras-chave: Bendito. Catolicismo popular. Sacrifício. Juazeiro do Norte. Lamentos.

Abstract

This ethnographic study carries out an analysis of the sound shape and expressiveness related to the romeira devotion present in Juazeiro do Norte – CE, which is one biggest centers of popular romaria (pilgrimage) in Brazil. The absence of liturgical guidelines and interference on the types of devotion, as well as the inexistence of a dogmatic legislation to regulate the aesthetic field regarding religion, led the elaboration of the suma by the popular tradition, which is related to the way of seeing and hearing the world, either on the spiritual domain or on the social sphere, establishing a devotional orientation that considers the penitential practices as the only way to achieve the salvation of the soul. We part from the hypothesis that postulates the existence of a sacrifice-shape, which incorporates a huge variety of cultural and religious signs inserted into the body and the traditional musical repertoire during the act of singing. We postulate the idea that the benditos singing develops the function of consecrating the body.

Key-words: Bendito. Popular Catholicism. Sacrifice. Juazeiro do Norte. Laments.



video


“Ofício de Nossa Senhora”

Agora lábios meus/Dizei e anunciai/Os grandes louvores/da Virgem Mãe de Deus
Sede em meu favor/Virgem Soberana/Livrai-me do inimigo/Com o vosso valor
Glória seja ao Pai/Ao Filho ao amor também/Que ele é um só Deus/Em pessoas três
Agora e sempre/E sem fim amém.
Deus vos salve, Virgem/Senhora do mundo/Rainha dos Céus/E das virgens, virgem.
Estrela da manhã /Deus vos salve cheia/Da graça divina/Formosa louçã
Dai pressa, Senhora/Em favor do mundo/Pois vós reconhece/Como defensora
Deus vos nomeou/Já LA AB ÆTERNO/Para a mãe do verbo/Como a qual criou
Terra, mar e céus/Deus a escolheu/Quando Adão pecou/Por esposa de Deus
Deus a escolheu/E já muito adiante/Em seu Tabernáculo/Morada lhe deu
Ouvi, Mãe de Deus/Nossa oração/Toquem em vosso peito/Os clamores meus(...)




video


Obs.: As versões apresentadas em arquivo de áudio são cantadas pela ordem de penitentes do Sítio Cabeceiras, situada no município de Barbalha-CE e por D. Edite, rezadeira de Juazeiro do Norte – CE. A primeira tem seu uso vinculado a ofícios fúnebres.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Nova Sala do BIEV

Apresentação: O BIEV ganhou uma nova sala e os integrantes colocaram a mão na massa para deixar a nova sala o mais organizada possível.
Tags:
Quem esteve entre nós